Eleições 2018 ainda são incógnita para o eleitorado e os pré-candidatos

21 Janeiro 2018 07:00:00

Por Marcos Montes

Bem-vindos - Ao longo da última semana, em contato com amigos e aliados das várias cidades da minha base política, tive a oportunidade de constatar um antagonismo surpreendente em relação às eleições de outubro de 2018. De um lado - como não é segredo pra ninguém -, a decepção com a política e os políticos de um modo geral, mas, de outro lado - por incrível que pareça! -, um interesse inédito pelo processo eleitoral deste ano.

Incógnita - O que sinto, ao visitar as cidades da base - são mais de 40 - e ouvir relatos de suas lideranças políticas e comunitárias, e da população nas ruas, é uma grande expectativa sobre o que vem por aí. A principal ansiedade diz respeito ao cargo de presidente da República (até por motivos óbvios...), e deixa mais do que evidente que nada está definido, que ainda tem muita água pra rolar e que, se as eleições fossem hoje, seu resultado seria uma tremenda incógnita.

Assunto da hora - Sou tentado a concluir que, apesar dos pesares, o povo brasileiro está sim, de olhos e ouvidos abertos para tudo o que se relaciona ao processo eleitoral de 2018, e discutindo o assunto como nunca. A menos de nove meses das eleições os debates estão acirrados, em muitos casos de forma exagerada e agressiva, mas, no geral, antecipando uma campanha extremamente participativa. As redes sociais que o digam!

Mudanças - Também sou tentado a concluir que muitas mudanças ainda vão acontecer em relação às pré-candidaturas na disputa pelo principal cargo das eleições deste ano. E isso, com certeza, terá impacto direto nas pré-candidaturas para governador. Enfim, muita incerteza ainda ronda o processo eleitoral.

O voto - E aproveito pra lembrar que a Justiça Eleitoral de Minas Gerais está funcionando nos finais de semana em Betim, Contagem, Uberaba e Uberlândia para realizar o recadastramento biométrico obrigatório - com prazo final dia 9 de fevereiro de 2018. Reafirmo o que falei na edição anterior desta coluna: não fazer a biometria, e portanto, não votar em outubro, é perder a oportunidade de dizer o país que se deseja. 

Imagens

Foto: Marco Aurélio Ferreira Cury
Foto: Marco Aurélio Ferreira Cury